Início oficial da temporada para o FC Porto de Sérgio Conceição, que entra em jogo com um conjunto de expetativas bem diferentes daquelas alimentadas há um ano atrás. Apesar de se sentir que os azuis e brancos eram, desde o primeiro jogo, uma equipa montada para o sucesso na Liga NOS, o domínio exercido durante a temporada pode foi devida a uma ideia do seu treinador, que soube retirar o melhor rendimento dos jogadores do seu plantel.

Ser campeão em título mexe, definitivamente, com o quadro de trabalho de Sérgio Conceição, havendo uma necessidade de confirmar o trabalho e o sucesso da época passada. Mas olhando ao atual plantel azul e branco, a aposta foi feita em segurar alguns jogadores, mais do que conseguir contratar reforços para o grupo. Em véspera de Supertaça, a maior aquisição do clube, o central Chancel Mbemba, estará de fora devido a lesão.

Aponta-se assim para a manutenção de Casillas, Filipe, Alex Telles, Herrera, Brahimi e Marega (este último, até ver) como os principais reforços da equipa. É a espinha dorsal do conjunto à qual se juntará Danilo Pereira quando recuperar. Outros, como Sérgio Oliveira, Otávio ou Aboubakar, vão continuar a estar entre os mais utilizados. Novidades no onze apontam-se para Maxi Pereira e Diogo Leite. De certa forma, há aqui um paralelo com o que aconteceu ao anterior campeão nacional. Os portistas recuperam um suplente, Maxi, para a titularidade, enquanto apostam num jovem vindo da equipa B que, nos jogos de preparação, se mostrou exemplar na forma de preencher a vaga deixada em aberto pela lesão de Mbemba.

Como se poderá, assim, falar de um novo FC Porto? No fundo, é a alteração de contexto que vem obrigar o conjunto azul e branco a ser algo mais do que aquilo que foi na época passada. Por um lado, a experiência acumulada pelos seus adversários na forma de conter as forças da equipa. Por outro, a ausência da necessidade de comprovar vida que elementos como Marega, Aboubakar, Brahimi ou Sérgio Oliveira mostraram na época passada. Finalmente, a passagem de um contexto onde se esperava uma resposta coletiva da equipa a um mau passado, para um outro onde se espera que a equipa jogue como um campeão.

O encontro frente ao Aves não será um teste definitivo, mas será, com certeza, um momento para avaliar aquilo que os portistas podem fazer nesta fase da época. Os jogos de preparação não entusiasmaram. Sérgio Conceição precisa de encontrar no seu grupo aqueles que serão a base mental da temporada onde quer ser, de novo, conquistador.

Anúncios