A minha primeira Taça das Nações Africanas

Abro a caixa de pandora que será o Makas e Mambos com uma recordação muito pessoal. Em janeiro de 1996, eu tinha dezasseis anos e o futuro era um tempo em que tudo podia acontecer. O presente, esse, tinha hora marcada. Tardes inteiras a sintonizar os canais do Arabsat, na pequena televisão do escritório de […]