Atletas masculinos no estrangeiro – outra realidade

betinho

Depois de termos feito o levantamento das atletas femininas, cabe agora organizar os dados para os atletas masculinos. A realidade é radicalmente diferente. Para já, devemos fazer a ressalva que, para o caso dos jogadores masculinos, existem maiores dificuldades para cobrir todos os jovens portugueses que atuam no estrangeiro, já que havendo nota da estada de atletas em academias europeias, é muito provável que nem todos estejam indicados nesta recolha. Por isso, desde já, as nossas desculpas.

Analisando os dados, encontramos 16 atletas referenciados, com o caso de João “Betinho” Gomes a ser o elemento de destaque na recolha, dado jogar na Liga mais importante do basquetebol europeu. Igualmente a um bom nível está outro internacional português, Fábio Lima, que atua também no país vizinho, na LEB Oro. Ainda na Europa, em França, está Miguel Maria Cardoso, a jogar no terceiro nível competitivo, enquanto Arnette Hallman e Filipe da Silva estão, agora, no quarto nível daquele país.

No que toca a atletas a jogar nos Estados Unidos, encontramos cinco nomes. Daniel Relvão será a nossa principal referência, no próximo ano, quando estiver a jogar em Valparaiso, da NCAA I. Ruben Silva treina, atualmente, com a equipa de South Dakota State, mas não está inscrito. Óscar Pedroso joga no segundo nível da NCAA e Cândido Sá e Luís Câmara dão os primeiros passos no basquetebol norte-americano à busca de sorte.

Captura de ecrã 2014-11-30, às 20.45.22

ATUALIZAÇÃO: Outros jogadores em atividade no estrangeiro:

Filipe Von Haffe – Grupo Inec Queso Zamorano – EBA A – Espanha

Gonçalo Stringfellow – Northwood University (FL) – Junior Varsity Team/NAIA – Estados Unidos

O facto dos nossos escalões de formação não disputarem a Divisão A de nenhum Campeonato Europeu desde 2007, com uma equipa de Sub-16 que teve em Miguel Queiroz o jogador que melhor comprovou algum potencial, é demonstrativo do nível do basquetebol no masculino e também fere as possibilidades de alguns atletas poderem mostrar-se aos olhos dos scouts das Universidades Norte-Americanas. Para além disso, no basquetebol masculino, há em Portugal projetos que acolhem e gratificam os nossos melhores talentos, acabando por ser uma opção cómoda para os frutos da formação.

Publicado por Luís Cristóvão

Comentador na Antena 1, Eleven Sports e SIC Notícias. Analista de futebol, fala e escreve sobre desporto em vários meios de comunicação social.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: