quadro táticoEu sabia que isto ia acontecer, um dia. E sabia porque aquilo que tem acontecido no futebol nos últimos dez anos já aconteceu em várias outras áreas, científicas e humanas. Quando uma teoria sobre determinada coisa se consegue expressar numa prática que nos dá um lampejo de perfeição e alguns de nós ficam presos a esse momento, não compreendendo que todas as coisas são, sempre, uma construção de uma complexidade tão grande que não convive bem com a perfeição eterna.

O futebol sempre foi espaço de confluência entre arte e ciência, mas viveu boa parte do seu período de crescimento no mundo baseado numa falsa ideia de essência. Porquê falsa? Porque aquilo que se ditou serem os diferentes estilos de praticar a modalidade eram, sobretudo, uma marca forte da personalidade cultural de cada país ou região na forma de o jogar. Os ingleses com  o seu “Kick and Rush” alimentado por uma combatividade dissimulada no terreno de jogo, os brasileiros com o seu jeito “malandro” de tornar simples o complicado, os alemães com a sua abordagem de “tenentes do século XX” a usar a força para contraria o romantismo da sua história.

Começou nos anos 90 a uniformização do que é o futebol. Se em 1988 ainda tivemos a oportunidade de ver jogar uma Holanda, uma União Soviética e uma República da Irlanda tão fiéis às suas imagens culturais, o Brasil, a Itália e a Alemanha de 1990 já eram um passo determinante para o que começava a ser o futebol uniformizado, em que as ideias globais se impõem às características culturais. Essas ideias globais impuseram, primeiro, um futebol mais trabalhado defensivamente, o momento do jogo que havia sido ignorado na génese do desporto, passando, ao longo dos tempos, a tentar organizar-se as restantes fases.

Apesar de muitos falarem do “Futebol Total” holandês como uma marca de ADN do futebol do início do Século XXI praticado, ao mais alto nível da perfeição, com o “Tiki Taka” do Barcelona, eu penso que Pep Guardiola não poderia ter existido sem Arrigo Sacchi e o repensar do “Catenaccio” italiano durante as décadas de 80 e 90. Porque foi no cruzamento da ideologia holandesa com a concretização da defesa ideal italiana que se fez aquilo que hoje entendemos como o futebol perfeito. Essa noção de saber sempre o que fazer perante aquilo que o jogo nos dá, o tomar a melhor decisão, o perceber os melhores espaços, o entender o meio onde estamos e deixar que seja ele a conduzir-nos pelo jogo.

Essa conjugação científica – porque aquilo que em Cruyff era arte, em Guardiola é, sobretudo, ciência – levou-nos a um entendimento da perfeição jogada que, como qualquer um dos dois designados bem sabe, é efémera. Por isso Cruyff se retirou tão cedo, por isso Guardiola não deixa que os seus projetos possam prolongar-se demasiado no tempo, uma lição, aliás, também preconizada por José Mourinho, mesmo se a sua prática pareça afastá-lo da escola da perfeição. No entanto, é inegável que aquilo que o técnico português construiu nos seus anos de FC Porto, Chelsea (1ª passagem) e Inter é também uma perfeição, de novo de tração à defensiva, porque o crescimento da qualidade e organização ofensiva do “Tiki Taka” assim obrigava.

Vivemos, então, no futebol, de uma eterna pulsão pelo domínio do jogo, que se faz, ao longo da história, pela resolução de problemas criados pelos sistemas ofensivos ao nível da defesa, passando, depois, pela resolução de problemas criados pelos sistemas defensivos ao nível do ataque. Se podemos tentar resumir o que seja o futebol, o futebol é isto, este parágrafo aqui. Tudo o resto serão apenas episódios, melhor ou pior conseguidos, da colocação em prática destes princípios.

É por isso que peço que não nos roubem o futebol. Não nos roubem a possibilidade de um jogo ser, não perfeito – porque nada é perfeito a não ser a morte -, mas sim vivo e continuamente fruto de avanços e recuos na forma de o conseguir resolver. Umas vezes pode parecer-nos mais “bonito”, outras mais “feio”, mas como tudo na vida, não podemos ignorar que o futuro é sempre feito da conjugação dos passados. Por isso não há viagens no tempo. Nem hoje a equipa portuguesa que jogará a final do Euro recuou no tempo (porque a forma como joga é, acima de tudo, o reconhecimento do que falhou desde 1996 até 2016), nem outros conjuntos que nos parecem jogar “melhor” (a Croácia, a Bélgica) mereceriam estar no seu lugar pelo simples facto de não terem ainda completado essa análise histórica que está sempre presente nas equipas que jogam as finais das principais competições.

Deliciem-se com o viver da história. É isso que o futebol nos dá diariamente.

Anúncios

Publicado por Luís Cristóvão

Comentador na Antena 1, Eleven Sports e SIC Notícias. Autor no Expresso. Analista de futebol, fala e escreve sobre desporto em vários meios de comunicação social.

Junte-se à conversa

2 comentários

  1. Caro Luís,

    Naturalmente respeito a sua opinião, não tenho demasiado conhecimento (técnico) sobre futebol, apenas gosto e admiro, e como ouvi à tempos na rádio, eu também, apesar de apreciar outras forma de “arte” poucas coisas me emocionam mais do que relembrar alguns golos, pases, jogos ou inclusive fases de determinados jogos.

    Sou portugûes e estou muito satisfeito por Portugal estar na final do Euro e desejo que ganhe, mas não sinto a mesma alegria que tinha quando em 2000 jogamos às meias ou em 2004 classifcamos à final, e isso tem a ver com o jogo da seleção, no meu ver pobre. Entendo que existem muitas abordagens e que uma equipa compentente é aquela que ataca as fraquezas do adversário e sabe mascarar as suas. No entanto, entendo que a seleção tem jogadores para jogar melhor, tem um meio campo que melhora muito o passado mais recente, mas apesar disso, é uma equipa talhada para o resultado.

    Ora, eu que aprecío o jogo, jogar apenas a pensar no resultado ou numa passagem à seguinte fase, é uma atentado, e isso sim é na minha ótica um roubo, eu sinto que me roubaram o futebol. Se no futebol o mais importante fosse o resultado, eu não precisaria de ver os jogos, bastava-me olhar para o jornal do dia a seguir.

    Você afirma que a seleção chegou até este ponto, porque entendeu os erros do passado, eu discordo, ou a Grécia em 2004 também se apercebeu dos erros do seu passado?. Temos casos claros, o Brasil e a Holanda também se aperceberam dos seus erros passados e evoluiram para um futebol mais focado no resultado imediato? apesar destas duas últimas equipas que referi terem obtido bons resultados (ou razoaveis) no seu momento (curto prazo) o impacto no medio e longo prazo está a vista.

    Acho que resumir o futebol ao resultado é aborrecido, não garante nada no curto prazo e pode ser perigoso no longo prazo.

    Um abraço e como disse, é a minha opnião e naturalmente respeito a sua,
    Carlos Gouveia

    Liked by 1 person

  2. Caro Carlos,

    muito obrigado pelo seu comentário. Se estamos a falar de ter no resultado o único objetivo do futebol, estamos plenamente de acordo, até porque em ponto algum do meu artigo eu defendo isso. Digo, sim, que há no futebol uma tensão entre ataque e defesa e que é a história dessa tensão que nos faz gostar da modalidade.

    Quanto ao caso específico que aponta, da Grécia, na minha opinião é um excelente caso do que é entender a história do jogo e as respetivas forças para desenhar um quadro de capacidade competitiva. Grande mérito para o seu técnico, Otto Rehhagel, e também para um conjunto de jogadores que, sem terem alcançado grandes feitos na sua carreira, tocaram a perfeição durante esse mês de verão em 2004.

    Aliás, não podemos deixar de olhar para a Grécia de 2004 como uma das grandes histórias da história do futebol.

    Um abraço e obrigado por me seguir.

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: