Tem sido constante a presença de jogadores portugueses na Major League Soccer ao longo dos últimos anos. 2017 não será excepção, com duas contratações de peso a poderem transformar o português numa língua a ter em conta para seguir o sucesso na competição. João Pedro e Gerso Fernandes são as novidades, enquanto João Meira e Rafael Ramos manter-se-ão na luta por um lugar ao sol em terras americanas.

Quem és tu, jovem desconhecido?

Não vai ser fácil para os comentadores norte-americanos dizerem João Pedro. No entanto, quem trabalhar para os lados da Califórnia estará já preparado para o fazer. A contratação do jovem jogador do Vitória de Guimarães contraria, de alguma forma, aquela que vem sendo a tendência de mercado dos Galaxy. Mas, como novo timoneiro, será também vez de experimentar novas possibilidades.

Tudo indica que João Pedro entre diretamente no onze de Curt Onalfo, formando uma dupla com Jermaine Jones, veterano internacional que chega agora a LA. No plantel encontrará jogadores estabelecidos como Giovani dos Santos, Ashley Cole ou Jelle Van Damme, mas também uma série de nomes de uma nova geração local, como são os casos de Gyasi Zardes, Sebastian Lletget ou Emmanuel Boateng, ganês que terminou a sua formação nos Estados Unidos. Para além deles, Romain Alessandrini chegou para aumentar o número de opções ofensivas.

Para João Pedro, na sua primeira experiência fora do Vitória, o desafio é elevado. Ainda assim, o contexto é bastante favorável. Apesar de falarmos de uma equipa que joga pela conquista do título, a mudança de treinador e a existência de vários jovens em afirmação irão permitir um ambiente onde João Pedro se poderá evidenciar.

Gerso, o furacão

Guineense de nascimento, coimbrão por adopção, Gerso percorreu a escadaria do futebol nacional na formação do União de Coimbra e, depois, da Académica, para se estrear na divisão principal com a camisola do Estoril. A curta passagem pelo Belenenses leva-o para um mundo completamente diferente. Contratado para ser um dos Designated Players do Sporting Kansas City, encontra um contexto onde a exigência cresce muito.

As suas características principais, como a capacidade de aceleração e a destreza no controlo da bola serão bem apreciadas na MLS, para mais, numa equipa onde conta com Dom Dwyer e Diego Rubio como opções para o ataque. Mas, dado o seu novo estatuto, espera-se que Gerso seja também um marcador de golos, algo que nunca terá sido o seu forte na Liga NOS. Numa equipa que voltará a estar na luta pelo apuramento para os playoffs, Gerso poderá bem ser o furacão que fere as organizações defensivas adversárias.

Na defesa da titularidade

João Meira fez uma boa primeira temporada na MLS e tenta, no seu segundo ano nos Chicago Fire, ser mais regular na titularidade. A equipa da Cidade do Vento fortaleceu bastante o seu meio-campo, com a chegada de Juninho e Dax McCarty, sobrando para Meira a luta por um dos lugares na linha defensiva, onde Jonathan Campbell e Johan Kappelhof foram opções preferenciais. No entanto, a capacidade de adaptação do português joga, claramente, a seu favor.

A segunda época de Rafael Ramos na MLS foi marcada pelas lesões, tendo realizado apenas 12 jogos. No entanto, o jovem lateral-direito mantém elevado estatuto na competição. Este ano terá mais concorrência, com a chegada de Donny Toia, que pode jogar em ambas as faixas, mas estando em boas condições físicas, não haverá razões para que Jason Kreis não aposte no jogador que já representou Sporting e Benfica.

Para além dos jogadores portugueses, têm contrato com equipas da MLS os seguintes jogadores que já passaram por Portugal: Greg Garza (Atlanta United), Arturo Álvarez, Luis Solignac (Chicago Fire), Aurélien Collin (NY Red Bulls), Ibson (Minnesota United), Oguchi Onyewu (Philadelphia Union), Diego Valeri (Portland Timbers), Diego Rubio (Sporting KC) e Jordan Hamilton (Toronto FC).

As transmissões da MLS nos canais Eurosport estreiam com o encontro entre os LA Galaxy e os FC Dallas, no dia 4 de março de 2017.

Anúncios