O Egito prepara-se para receber a primeira edição da CAN com 24 países. Uma competição com muitas novidades e um lote de jogadores que conjuga desde vencedores da Liga dos Campeões europeus até atletas que fizeram toda a sua carreira em equipas africanas.

É um autêntico carrossel de talento, argumentos físicos, disputas sociais e políticas, música e ruído, festa e seriedade, numa mistura de todos os condimentos que fazem do futebol um dos grandes acontecimentos que podemos seguir. Todos estes aspetos parecem engrandecer-se quando falamos da CAN, ou talvez seja o meu amor pela Taça das Nações Africanas a falar mais alto.

O certo é que falta muito pouco para começar a ver a bola a rolar, com o Egito a abrir a contenda frente ao Zimbabué. Um confronto que, no papel, poderá parecer mais fácil do que a realidade promete. Sem dúvida que os egípcios são os grandes favoritos à vitória, jogando em casa e contando com um grupo de jogadores experimentado e a liderança de Salah, sedento de mostrar que o verão passado poderia ter sido bem diferente. Mas, pela frente, têm o vencedor de um dos grupos de apuramento que, para aqui chegar, soube sempre trair os adversários oferecendo-lhes a iniciativa. Com o Uganda a procurar também aproveitar a experiência acumulada na edição anterior, maior pressão para a República Democrática do Congo fazer valer os seus argumentos de eventual favorito a acompanhar o Egito.

Amanhã entra em campo outro dos favoritos, a Nigéria, que não participa na competição desde 2013, ano em que foram campeões. Num plantel que cruza experiência e juventude, as Super Águias até poderão beneficiar de um lote de adversários mais frágeis nesta ronda inicial. A estreia é frente a um Burundi com poder de fogo e a confiança de ter eliminado o Gabão, mas com pouca experiência na linha mais recuada. A carta mais forte do Burundi tem sido a sua capacidade de ler o adversário e é isso que será testado na sua estreia nos grandes palcos. No grupo está ainda outro estreante, o Madagáscar, a única equipa vinda das pré-eliminatórias da fase de qualificação, com forte contributo de jogadores nascidos na Ilha da Reunião, território francês. O principal candidato a acompanhar os nigerianos é a Guiné Conacri, com Naby Keita a liderar um conjunto que superou a Costa do Marfim nas eliminatórias.

Apresentadas as equipas dos dois primeiros grupos, é momento de preparar tudo para acompanhar esta grande competição. Todos os jogos terão transmissão em direto, para Portugal, no Eurosport 2.

Anúncios

Publicado por Luís Cristóvão

Comentador na Antena 1, Eleven Sports e SIC Notícias. Autor no Expresso. Analista de futebol, fala e escreve sobre desporto em vários meios de comunicação social.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: